Quadro Comum de Referência Europeu: o que é e como funciona?

O que é o Quadro Comum de Referência Europeu?

Em primeiro lugar, o Quadro Europeu Comum de Referência Europeu é um padrão internacional para testar a sua habilidade, sobre um idioma. Ele foi criado pelo Conselho da Europa entre 1966 e 1989, para fornecer um método de avaliação, que se aplica às línguas da Europa. Nesse sentido, em novembro de 2001, o Conselho recomendou o seu uso para criar sistemas de validação da capacidade linguística.

Dessa forma, os os seis níveis dele são A1, A2, B1, B2, C1 e C2. A partir disso, você pode trabalhar sua habilidade em cerca de 40 idiomas diferentes, como: 

  • árabe;
  • albanês;
  • armênio;
  • basco;
  • búlgaro;
  • catalão;
  • chinês;
  • croata;
  • tcheco;
  • dinamarquês;
  • holandês;
  • inglês;
  • esperanto;
  • estoniano;
  • finlandês;
  • francês;
  • fríduo;
  • galego;
  • georgiano;
  • alemão;
  • grego;
  • hebraico;
  • húngaro;
  • italiano;
  • japonês;
  • coreano;
  • lituano;
  • macedônio;
  • moldávio;
  • norueguês;
  • polonês;
  • português;
  • russo;
  • sérvio (versão caviana);
  • esloveno;
  • espanhol;
  • sueco;
  • turco;
  • ucraniano.

Como resultado, os níveis são usados pelos alunos para explicar sua capacidade de falar, ler, escrever e entender um idioma. Entretanto, também existem exames e certificados disponíveis para aqueles que buscam oficializar o seu nível.

Uma vez que o inglês é a língua universal, ele acaba ganhando mais destaque, tanto que a gente criou um post com os 14 melhores cursos de inglês de 2022, que você pode conferir aqui:

Como o Quadro Comum de Referência Europeu funciona?

Antes de mais nada, no passado, existiam apenas 4 habilidades linguísticas que são a escuta, leitura, fala e escrita.

Entretanto, em vez de empregar esse sistema de habilidades, o Quadro Comum de Referência Europeu decidiu criar os seus próprios níveis. Confira!  

Recepção

Em primeiro lugar, esse nível resume bem a sua capacidade de entender o falante. Pode ser alguém gritando em seu ouvido com um sotaque diferente. Assim, ele corresponde às questões sobre audição e leitura no teste.

Interação

Em seguida, temos algo que inclui não apenas o conhecimento da língua, mas também o conhecimento de expressões do cotidiano. Nos testes, você demonstra essa habilidade ao escrever uma carta e, em seguida, ao conversar com um entrevistador.

Produção

Enquanto a interação é sobre a linguagem apropriada, por outro lado, a produção foca em como se expressar, de forma clara. Aqui, você precisa demonstrar domínio da gramática, pronúncia e habilidades ortográficas.

Nesse sentido, os testes costumam exigir uma redação para defender a sua opinião, durante a discussão com um entrevistador.

Qual a importância do Quadro Comum de Referência Europeu?

O quadro é usado em diversos lugares, por isso é fundamental para criar currículos e escrever livros educacionais em diferentes idiomas. Além disso, ele também permite comparar os estudantes de diferentes países. Ou seja, um aluno que aprendeu francês na Alemanha tem as mesmas habilidades de outro que aprendeu francês, em Portugal no mesmo nível.

Além disso, o foco está na comunicação. Portanto, as habilidades básicas necessárias em cada exame de idiomas são a escrita, leitura, audição e fala.

De fato, existem diferentes sistemas educacionais em cada, mas, com a ajuda do quadro essas barreiras podem ser quebradas.

Não só a comunicação no cotidiano é importante, mas também a comunicação na vida profissional. Assim, todo aluno tem a possibilidade de aprender, por exemplo, o vocabulário específico do contexto profissional.

Os alunos e professores de línguas são mais independentes. Afinal, devido à transparência dos temas educacionais e das qualificações tanto de aluno, quanto professor, eles podem trabalhar de forma independente. Por exemplo, com livros educativos que são criados com o auxílio do CEFR.

Ainda assim, vale ressaltar que ele respeita os aspectos culturais, como regras sociais ou condições de vida que são incluídas em suas normas.

Do mesmo modo, ele é usado no ensino de idiomas, tanto no setor de educação pública, quanto em escolas particulares. Em muitos países, ele substituiu os sistemas tradicionais que definem os níveis de cada aluno!

Portanto, fazer um curso de inglês faz toda a diferença aqui, e você pode conferir o nosso ranking com os melhores cursos de 2022 para encontrar o ideal!

Quais são os diferentes níveis do Quadro Comum de Referência Europeu?

Os Níveis “A”: Aluno Básico

A1 – Iniciante

Em primeiro lugar, no nível A1 é possível:

  • compreender e usar expressões básicas para satisfazer suas necessidades;
  • apresentar e fazer perguntas pessoais, ou seja, o local onde vive e as pessoas que conhece;
  • se comunicar, caso o ouvinte fale de forma lenta.

A2 – Básico ou Elementar

Em seguida, no nível A2 você consegue:

  • entender expressões usadas em assuntos da rotina. Em outras palavras: compras, família, emprego, etc;
  • completar tarefas que são rotineiras e envolvem uma troca direta de informações;
  • descrever questões de necessidade imediata em termos simples;
  • ser capaz de descrever a sua formação, o meio ao redor e falar sobre assuntos relacionados, conforme suas necessidades imediatas.

Os Níveis “B”: Aluno Independente

B1 – Intermediário

Da mesma forma, durante o nível B1, um aprendiz de idioma pode:

  • entender pontos referentes a temas familiares, de trabalho, escola ou lazer.
  • lidar com a maioria das situações de viagem, em áreas onde a língua é falada;
  • criar textos simples sobre temas de interesse pessoal;
  • descrever experiências, eventos, sonhos e ambições, bem como opiniões ou planos.

B2 – Intermediário Superior

Por outro lado, no nível B2, o aluno vai:

  • entender as principais ideias de um texto complexo, ou seja, peça técnica relacionada ao seu campo;
  • interagir de forma espontânea, sem muita pressão para o aluno ou falante nativo;
  • produzir um texto detalhado sobre diversos assuntos;
  • compreender as ideias principais em textos complexos, incluindo discussões técnicas na sua área de especialidade.

Os Níveis “C”: Aluno Proficiente

C1 – Avançado

Assim como no nível C1, você pode:

  • entender diversos textos ou conversas mais longas;
  • expressar ideias sem dificuldade;
  • usar a linguagem para situações sociais, acadêmicas ou profissionais;
  • criar textos bem estruturados e detalhados sobre temas complexos, bem como demonstrar suas habilidades de articulação.

C2 – proficiência

Por outro lado, no nível C2 você consegue:

  • ler quase tudo ou escutar com facilidade;
  • resumir informações com diversas fontes, sob o mesmo ponto de vista de uma apresentação coerente;
  • se expressar em cenários complexos, de modo fluente.

Como descobrir qual o seu nível no Quadro Comum de Referência Europeu?

A princípio, a melhor maneira para descobrir o seu nível é fazer um teste padrão. Aqui, a nossa dica é o exame EF SET, porque além de ser gratuito, também é o primeiro teste 100% alinhado ao CEFR.  

Entretanto, ainda existem outras opções de exames oficiais como:

  • CELI, CILS, Sociedade Dante Alighieri para Italiano;
  • IELTS, TOEFL, Cambridge exame para inglês;
  • CIEP, Aliança Francesa para francês;
  • DELE, Instituto de Cervantes para espanhol;
  • TestDaF, Goethe- Institut para alemão;
  • Consórcio Europeu para o Certificado de Realização em Línguas Modernas.

Em síntese, agora eu tenho certeza que vai ficar mais fácil encontrar o seu nível no Quadro Comum de Referência Europeu. E se quiser encontrar o curso de inglês ideal para conquistar a fluência no idioma, confira o nosso ranking de 2022!

4.9/5 - (16 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.